Gort (Hera) símbolo do Reiki Celta – interpretação


O Reiki Celta nos oferece uma série de informações através da ligação com as árvores.

O Gort (Hera) é uma delas, ela possui algumas características muito interessantes ligadas ao nosso aspecto mental, aos nossos pensamentos. Vejamos mais:

 


Aqui o post com a imagem:

https://reikipro.wordpress.com/2016/08/01/gort-hera-simbolo-do-reiki-celta/

: DD

 

Gort (Hera) – símbolo do Reiki Celta


O Reiki Celta é um sistema de energia ligado aos Celtas, as árvores e as energias telúricas do planeta.

Gort representa a Hera, também conhecido popularmente por trepadeira, que são várias espécies de plantas que se agarram as superfícies para crescer e se desenvolver.

O Gort é um símbolo do nível II que representa a mente do ser humano, ou o seu aspecto mental.

Clique aqui para baixar a imagem em alta resolução no OneDrive.

Símbolos Celta Arte - Gort - simples


: D

 

O que é Druidismo


O que é Druidismo?

Se quiser mesmo saber, pare de ler por hora este livro.

E, numa mochila, coloque um pouco de comida – pão, nozes, uma ou duas maçãs, o que achar necessário – e alguma coisa para beber. Vista-se adequadamente, levando uma malha ou capa, se precisar. Antes de sair, para por alguns instantes. Olhe ao seu redor.

E, caminhando lentamente pela casa, observe tudo o que expressa quem você é, o que você criou, o que está em processo, o que você está esperando ser ou como espera que o vejam. Observe o que tem e o que não tem valor para você. Escolha alguma coisa que represente, real ou simbolicamente, o que é mais importante para você, algo que tenha contribuído muitíssimo, fazendo com que descobrisse as habilidades e a segurança que você sabe ter. Você deve estar disposto a abrir mão, a separar-se deste objeto; no entanto, deve ser algo suficientemente importante para que o ato de deixá-lo seja profundo e até difícil.

Coloque-o na mochila ou no bolso e sai de casa. De trem, automóvel, bicicleta ou a pé, vá se afastando dos prédios, do asfalto e do concreto, e entrando em um cenário que seja tão próximo do mundo primitivo natural quanto puder alcançar, longe das estradas, do barulho e da multidão, longe das áreas de plantação pulverizadas com inseticidas e do metal oxidado.

Seja o lugar onde for, isto é com você…. seja onde for fique lá algum tempo, caminhando, observando, sentindo, sentado prestando atenção – em você mesmo e no mundo a sua volta.

Prestar atenção, neste caso, não é algo a ser feito com esforço. Trata-se do processo de simplesmente ficar alerta, sem julgar nada, sem ter que reagir ou responder. Enquanto fazemos isto, nossos sentidos começam a despertar. Começamos conscientemente a respirar pelos poros, a sentir os cheiros com a pele, a observar e sentir com nosso corpo sutil de energia. E, ao fazê-lo, os efeitos de nossa presença começam a ter menos impacto sobre o mundo a nossa volta.

Permaneça algum tempo ouvindo desta forma e, ao parar para comer, compartilhe sua comida, abertamente e com gratidão, devolvendo um certo tanto a terra, deixando um montinho em um cantinho oculto, onde possa ser achado pelas pequenas criaturas e pelos seres encantados, espalhando migalhas pelo chão, derramando uma boa bebida na terra ou na areia.

Ao sentir que sua presença está começando a se fundir com o ambiente pelo qual passeia, deixe sua mente refletir sobre o que está buscando, sobre o seu desejo de saber mais sobre a velha tradição do druidismo. Qual é a sua motivação? O que espera saber? Quais são as suas expectativas? Como pode isso modificá-lo? Quem gostaria de encontrar e como seriam? O que seria pedido a você?

Se estiver ouvindo com a mente aberta, na quietude da fusão do seu senso de individualidade com o mudo natural, as respostas que surgirão serão as suas primeiras experiências do druidismo. E, nelas entremeadas, uma clareza de percepção que lhe ensinará mais do que quaisquer palavras escritas. Através delas emergirá, também, uma compreensão do primeiro passo que deverá dar em sua jornada para a tradição.

Chegou a hora de deixar seu presente, tanto como oferenda à terra que o alimenta quanto aos que percorreram a trilha antes de você, aos druidas ancestrais que o guiarão no caminho.

E se, honestamente, não chegou a um ponto onde em que pode dar seu presente, entregando-o conscientemente com gratidão, então volte outro dia, e mais outro e outro ainda. Mas não retorne a leitura antes disto.

Extraído do livro: Princípios do Druidismo, de Emma Restall Orr. Páginas: 1-3