Vivências


Este final de semana foi de vivências intensas!!

Na sexta a segunda dose do Kambô, a vacina do sapo!

No sábado a tarde uma iniciação de Reiki nível I muito especial!

E no sábado a noite uma Ayahuasca sorrateira!!! [depois eu explico a razão deste sorrateira]

Agora é hora de juntar tudo isto e observar o resultado.

Mais tarde eu posto aqui as minhas observações.

:>

Música para a Mãe Divina


Uma belíssima música em homenagem a mãe Divina:

A letra e um poema:

Sanskrit “Devi Prayer” from “108 Sacred Names of Mother Divine” by Craig Pruess and Ananda:

Ma Amba Lalitha Devi
Parashakti Sundari
Namastasyai Namastasyai Namastasyai Namo Namah

Ma Amba Lalitha Devi
Mahamaye Mangale
Namastasyai Namastasyai Namastasyai Namo Namah

Ma Amba Lalitha Devi
Mahakali Bhairavi
Namastasyai Namastasyai Namastasyai Namo Namah

Ma Amba Lalitha Devi
Mahalakshmi Vaishnavi
Namastasyai Namastasyai Namastasyai Namo Namah

Ma Amba Lalitha Devi
Ma Sarasvati Brahmi
Namastasyai Namastasyai Namastasyai Namo Namah

Ma Amba Lalitha Devi
Durga Devi Shankari
Namastasyai Namastasyai Namastasyai Namo Namah

Ma Amba Lalitha Devi
Uma Parvati Shive
Namastasyai Namastasyai Namastasyai Namo Namah

Ma Amba Lalitha Devi
Ma Bhavani Ambike
Namastasyai Namastasyai Namastasyai Namo Namah

Ma Amba Lalitha Devi
Annapurna Lakshmi Ma
Namastasyai Namastasyai Namastasya Namo Namah

Ma Amba Lalitha Devi
Kamala Katyayani
Namastastasyai Namastasyai Namastasyai Namo Namah

Ma Amba Lalitha Devi
Tvam Tripura Sundari
Namastasyai Namastasyai Namastasya Namo Namah

English text by Julie Redstone

The Divine Mother is everywhere.

She is in everything.

She is the Divine Essence that lives within all beings.

Her domain is the field of life, for she gives
to all beings the sustenance that is needed for life.
Her beauty lives in the natural world,
and spans the universes in all their splendor.

She has been called by many names,
for all traditions recognize Her.

Into each consciousness the knowledge is given
of the sacredness of life.
This sacredness IS the Mother.

She is the holy generator of the physical world,
joined to the heart and soul of every living thing.

All of the Earth is one with Her.

All beings of the Earth owe their life to Her,
for she is the Mother of all, the One who bestows
all gifts of life.

Her gifts come to the deserving and to the
non-deserving alike, for the sun does not choose
upon whom to shine.

She is the source of Divine blessing, the part
of the Oneness that bestows the graces that fill life.

We have not seen Her because her being is
cloaked in silence.

She emerges now as part of the Oneness where
she has always resided, blessing all, giving to all.

All who bow before Her are sustained by the life
within them.

All who honor Her are sustained by life’s gifts
both within themselves and beyond.

The purpose of existence is to join with Life that lives
in all dimensions and all realms of being.

It is the Mother that creates this evolving,
this unfolding journey,
for she is the fabric of Time itself,
the means by which all things grow.

She is the template for life that exists within Her —
the substance and form of all that shall ever come to be.

May all be blessed by the blessings of the
Divine Oneness.

Em português:

A Mãe Divina está em toda parte.

Ela está em tudo.

Ela é a Essência Divina que vive dentro de todos os seres.

Seu domínio é o campo da vida, pois ela dá

a todos os seres o sustento que é necessário para a vida.

Sua beleza vive no mundo natural,

e abrange os universos em todo o seu esplendor.

Ela tem sido chamado por muitos nomes,

para todas as tradições reconhecê-la.

Em cada consciência o conhecimento é dado

da sacralidade da vida.

Esta santidade é a mãe.

Ela é o gerador de santo do mundo físico,

juntou-se ao coração e alma de todo ser vivente.

Toda a Terra é um com ela.

Todos os seres da Terra devem a sua vida a ela,

pois ela é a Mãe de todos, aquele que dá

todos os dons da vida.

Seus dons vêm ao merecimento e ao

não merecedores da mesma forma, para que o sol não escolhe

sobre os quais a brilhar.

Ela é a fonte de bênção divina, a parte

da Unidade que concede as graças que enchem a vida.

Nós não vimos ela, porque seu ser é

envolta em silêncio.

Ela surge agora como parte da Unidade onde

ela sempre residiu, abençoando todos, dando a todos.

Todos os que se curvar diante dela são sustentadas pela vida

dentro deles.

Todos aquele que honrá-la são sustentados por presentes da vida

tanto dentro de si e além.

O objetivo da existência é para se juntar com a vida que vive

em todas as dimensões e de todos os reinos do ser.

É a mãe que cria essa evolução,

esta jornada se desdobrando,

pois ela é o tecido do próprio tempo,

o meio pelo qual todas as coisas crescem.

Ela é o modelo para a vida que existe dentro dela –

a substância e a forma de tudo o que já deve vir a ser.

Todos sejam abençoados pelas bênçãos da

Unidade Divina.

Sons na aplicação de Reiki


Estes dias durante uma aplicação de Reiki eu me senti inclinado a fazer alguns sons junto com a música que estava tocando, um mantra muito tranquilo e legal de ouvir e melhor ainda de usar nas aplicações.

Depois, durante a conversa com o cliente, ele me relatou que gostou bastante de ouvir a minha voz junto com a música.

Foi algo bem básico, cantei meio que envergonhado ainda, como principiante. :>>

Mas foi interessante!

Hoje conversando com a minha irmã que voltou do curso de Maná com a Kátia ela me relatou que várias vezes recebeu a instrução para verbalizar alguma coisa, um som qualquer.

A própria Kátia nas sessões de Frequências de Brilho verbaliza alguns sons quando sente ser o momento necessário.

Depois destes insights todos me sinto mais entusiasmado para melhorar este aspecto da aplicação. A música é um ponto fundamental no meu trabalho e já comentei sobre isto várias vezes aqui no Blog. Agora acredito que o próximo passo é usar a minha voz junto com a música e talvez mais adiante apenas a minha voz quando eu sentir que é necessário, quando tiver alguma intuição a este respeito.

:>>

Tocar as mãos


Uma questão que não é muito lembrada durante os cursos de Reiki diz respeito ao reikiano tocar, unir as mãos quando está aplicando Reiki.

Já observei alguns reikianos contrários a isto, outros sendo a favor e alguns não se importando muito.

Em alguns pontos de aplicação as mãos do reikiano ficam tão próximas que é muito fácil os polegares se tocarem ou mesmo a ponta dos dedos indicadores.

Afinal, isto é bom ou não?

Eu parto do seguinte princípio. O Reiki em sua origem não tem nenhuma polaridade, esta só vem a se manifestar quando o cliente “puxa” o Reiki. Assim, no momento em que estiver recebendo o Reiki pode se manifestar como positivo ou negativo, masculino ou feminino, mais espiritual ou mais físico. Tudo depende da necessidade do cliente.

Com base nisto eu considero irrelevante a preocupação com o tocar ou não as mãos durante a aplicação.

Se as mãos estão na mesma posição ambas estarão canalizando a energia adequada para aquele ponto, da mesma polaridade.

Acredito também que quando as mãos estão se tocando ocorre um incremento da energia que está sendo canalizada e, ao contrário, quando elas se afastam a energia pode sim adotar duas polaridades diferentes, uma em cada mão.

Por exemplo na região do umbigo, chakra umbilical, as mãos podem ficar unidas ou se afastar, cada uma atuando próximo aos rins ou ao fígado. Neste caso cada uma delas pode canalizar uma energia Reiki com polaridade diferente.

Já na região do olhos por exemplo as mãos podem se unir e atuar sobre o chakra frontal ou então se afastar e atuar sobre cada um dos olhos em particular.

O mais importante é seguir a sua intuição. Sentiu necessidade de afastar um pouco as mãos para que elas façam um trabalho diferenciado afaste. Sentiu necessidade de unir as mãos para reforçar a energia una-as.

Entretanto ponderar sobre o que está ocorrendo é fundamental. Aceitar apenas como natural ou intuitivo não é suficiente.

:>

 

Inércia


A 1a lei de Newton fala que um corpo permanece em repouso, ou em movimento, até que uma força atue sobre ele.

Aqui um experimento para visualizar melhor:

As vezes eu penso a inércia em termos de sentimentos e de pensamentos.

Muitas vezes a gente “segue” sentindo alguma coisa sem se dar conta disto. Também “seguimos” pensando algumas coisas sem estar conscientes.

Isto ocorre tanto com bons pensamentos quanto com maus, tanto com bons sentimentos quanto com maus.

Creio que ambos são equivocados. Ou seja, de que adianta você continuar a se sentir feliz mesmo quando a razão, a causa, da sua felicidade já terminou? De que adianta você continuar a pensar de uma determinada forma se a razão do pensar já está no passado.

A gente aprende a pensar de uma determinada forma e não muda mais isto, até que esta forma de pensar se torne ultrapassada, não sirva mais, mas só vamos modificá-la a partir do momento que acontece algo em nossa vida que motive esta revisão. As vezes alguém nos dá um “toque” sobre uma forma de pensar equivocada. As vezes um curso mostra isto.

Creio também que pensamentos são mais fáceis de serem mudados. A partir do ponto em que uma razão lógica nos seja mostrada começamos o processo de mudança. Pode demorar, podemos voltar ao padrão antigo mas vamos aos poucos nos modificando.

Mas sentimentos e emoções que estejam de atuando de forma inercial são bem mais complicados.

Primeiro porque são subjetivos, são pessoais. Depois porque nos apegamos a eles. e por fim porque não temos consciência deles.

Mesmo quando alguém nos avisa, nos adverte, mesmo quando a vida sinaliza que determinada emoção não é mais necessária não temos a percepção necessária para modificar isto.

Muitas vezes gostamos tanto de sentir algo que não conseguimos abrir espaço para a mudança.

A inércia com bons pensamentos e boas emoções ou sentimentos não chega a causar grandes danos, apesar de ser esta uma afirmação que precisa ser observada caso a caso. Uma pessoa com uma inércia de bons pensamentos pode se tornar otimista em excesso e acabar por fazer escolhas equivocadas com base neste otimismo inercial.

Mas eu creio que uma inércia de pensamentos negativos causa um dano muito maior. Pois entramos em uma espiral descendente e nos envolvemos cada vez mais com a tristeza, a melancolia e isto pode se tornar uma caso de depressão.

Tenho percebido, e enfrentado, uma inércia em relação ao desanimo. Ele surge em alguns momentos ligado a uma certa melancolia, uma certa tristeza. Por alguma razão que ainda não percebi estes momentos se tornam inerciais, ou seja, se prolongam além do necessário. E eu fico sentindo aquela melancolia sem razão, sem função, por um longo período.

Já notei que estou no ponto de perceber a inércia, a continuidade sem razão do sentimento. Levo mais algum tempo para tomar consciência de que preciso modificar aquilo, que não há mais razão para a melancolia. E a partir deste momento consigo efetivamente alterar meu estado emocional e mental e alterar a situação que estou vivendo.

Mas existem outras tantas situações onde a inércia se manifesta e eu ainda não consigo perceber.

É preciso mais atenção!!

Pensar, e escrever, sobre isto vai me levar ao ponto de observar com mais precisão estes momentos.

:>