Quadro I – Procurando o Touro

O Pastoreio do Touro

Quadro I – Procurando o Touro

Quadro I

Diz o poema:

Desolado através da floresta, com medo, nas selvas, ele procura o touro e não encontra.

Para lá e para cá, grandes rios sem nome; nas profundezas dos ermos das montanhas ele segue muitas veredas.

Cansado de coração e corpo, continua sua busca por aquilo que não pode ainda encontrar.

De tardinha, ouve as cigarras cantando nas árvores.

O touro, na realidade, nunca foi perdido.

Então, porque procurá-lo?

Tendo dado as costas a sua verdadeira natureza, o homem não pode vê-lo. Por causa de suas ilusões, ele perdeu o o touro de vista. Repentinamente, se acha confrontado por um labirinto de encruzilhadas. Desejos de ganhos e medos de perda sobem como chamas; ideias de certo e errado aparecem como punhais.

O primeiro quadro reflete a condição de todo ser humano. Esqueceu a sua verdadeira natureza.

O touro, ou seja, a nossa personalidade, nunca esteve separada do verdadeiro espírito.

Fonte: Revista Planeta, Zen-Budismo, número 136-A de Janeiro de 1984.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s